Terça, 12 de Novembro de 2019

Notícias

Micro, pequenas, médias e grandes empresas: saiba como a prática pode te ajudar solucionar problemas financeiros

05/07/2019 - Fomento

Hoje, há cerca de 70.000 pequenas e médias empresas que fazem uso dos serviços factoring. Os montantes financeiros envolvidos nas transações comerciais superam a marca de R$150 bilhões anuais. Segundo a Anfac (Associação Nacional das Sociedades de Fomento Comercial), o giro da carteira de operações entre 2016 e 2017 pelos associados da entidade foi cerca de R$ 300 bilhões. O fomento comercial que resultou neste montante atendeu em sua maioria pequenas e médias empresas com destaque para os setores industrial, de alimentação e farmacêutico. Mas, o que é o factoring?

Presente em mais de 60 países, essa atividade comercial funciona como um processo mercantil, no qual uma empresa (cliente) recebe à vista da empresa de factoring o valor de uma venda a prazo feita a terceiros, ou seja, o factoring antecipa o crédito, compra a duplicata e passa a ser a responsável pela cobrança e recebimento da venda ou a administradora dos recursos que serão recebidos no futuro. O factoring pode antecipar o pagamento de cheques, pagamentos com cartões de crédito, duplicatas, recebíveis e outras vendas efetuadas a prazo.

Os perfis das empresas atendidas por Factorings são variados, desde micro, pequenas e médias empresas, que estão começando no mercado, até aquelas que já estão consolidadas. Essa diversidade é atestada pelo fato de que ao contratar o factoring, as empresas desejam obter capital de giro e gestão financeira adequada, ou seja, ao contratar uma empresa de fomento mercantil, não significa que estejam endividadas ou em risco, mas sim que desejam antecipar operações de investimento do negócio.

Vantagens e benefícios

Entre as principais vantagens de se contratar o factoring estão a relação mais direta entre a empresa e o cliente, a menor burocracia durante as operações e o custo muito menor dos fatores de desconto aplicados aos processos, mais baratos se comparados aos custos de um cartão de crédito ou cheque especial, por exemplo, conforme indica Valdir Piran Jr., Vice-presidente da Piran Factoring, que há 26 anos atua no mercado. Segundo Piran Jr. outra grande vantagem é o fato das factorings serem mais ágeis que os bancos na hora de avaliar os perfis das compras de crédito solicitadas.

“Para as empresas, as vantagens de se contratar um “factor” são inúmeras, entre elas: antecipação dos valores das vendas feitas a prazo, assessoria técnica, cobrança de títulos ou compensação de créditos, acompanhamento comercial e proteção contra a falta de pagamentos pelos devedores. Então, diante de todos esses benefícios, esse fomento acaba se tornando a opção mais viável para a concessão de crédito”, explica o gestor.

Ao contratar o factoring, o gestor da empresa firma um “contrato de fomento comercial”. Tal contrato poderá permitir a compra de direitos creditórios, originados das vendas mercantis, que se caracterizam por serem títulos de crédito recebíveis. Além disso, os títulos os quais a empresa deseja antecipar, os chamados recebíveis, podem ser enviados de forma virtual.

Segundo o Vice-presidente, é necessário entender que factoring não pode ser confundido com um empréstimo bancário, por exemplo. A diferença é que ele é uma instituição comercial, que compra os direitos das empresas sobre vendas a prazo, ou seja, existe uma antecipação do que você já ganhou por um serviço prestado ou produto vendido, é necessário que haja uma venda em meio ao negócio. Outra diferença é que os recursos utilizados pelo factoring são próprios e a empresa de fomento não precisa da autorização do Banco Central para prestar o serviço.

Em expansão no Brasil, o factoring já é considerado uma das principais atividades de fomento mercantil da economia mundial. E mais que isso, é visto como a forma mais promissora de investimento e seguranças às pequenas e médias empresas que desejam conquistar espaço no mercado. Com um volume de negócios crescente, mais espaço tem sido aberto às empresas que oferecem fomento comercial porque cada vez mais os bancos retraem o fornecimento de crédito.

Modalidades

O factoring pode ser contratado de diferentes formas, a depender do porte da empresa, dos objetivos da contratação, dos serviços e produtos que oferecem e como são feitas as negociações junto aos fornecedores. As principais modalidades são:

- Convencional: as partes firmam o fomento mercantil por meio de um contrato, onde ocorrerá a compra dos direitos creditórios;

- Trustee: toda a responsabilidade sobre cobranças e taxas por parte da empresa passa a ser da factoring contratada;

- Exportação: aqui duas empresas de factoring intermediam o processo de exportação de bens e serviços que o cliente oferece, desde a operacionalização até a liquidação;

- Compra de matéria-prima: modalidade onde o factoring realiza a compra da matéria-prima do fornecedor com pagamento à vista. Já a empresa beneficiada pelo factoring realizará o pagamento por meio da produção;

Desafios

Alguns cuidados precisam ser tomados ao decidir contratar uma empresa de fomento mercantil, isso porque mesmo não sendo considerada um banco, a empresa de fomento precisa assegurar que as compras de crédito efetuadas serão vantajosas para ambas as partes. Primeiro, para que uma empresa consiga, de fato, contratar um “factor”, é necessário que esta apresente documentos fiscais e que atestem a venda do produto e/ou serviço. Além disso, apresentar um breve histórico empresarial também pode ajudar.

Para o setor, algumas dificuldades ainda atrapalham o fluxo de negociações, como a falta de uma legislação específica sobre essa atividade, que garanta a segurança dos processos. Outro desafio ainda a ser superado é a consideração deste processo como parte importante da economia mundial.

https://www.jornalcontabil.com.br/micro-pequenas-medias-e-grandes-empresas-saiba-como-a-pratica-pode-te-ajudar-solucionar-problemas-financeiros/

Compartilhe: